Dias de Hoje – Parte II

15/07/2016 § Deixe um comentário

Olá pessoal! Tudo na paz? Espero que sim!

Como havia dito anteriormente, estamos em um momento de loucura global e infelizmente, a pesquisa científica em nosso país estancou de vez. Desde o ano passado ela estava dando sinais que ia parar, até que parou. Como resultado, estou sem bolsa e sem perspectiva de concurso ou coisas do gênero. Apesar de continuar ligado a laboratórios de pesquisa em Florianópolis e no Rio de Janeiro, não recebo um vintém. Continuo porque pesquisa é a minha paixão! Mas quem disse que temos apenas uma paixão na vida?!

Amo fotografia, assim como trabalhar com madeira! A primeira eu domino com um certo controle, a segunda, estou me aventurando! Como tudo na nossa vida, nós temos que nos posicionar. Tá difícil a pesquisa? O que eu posso fazer que irá gerar satisfação pessoal e  alguns vinténs?! Acho que todos nós deveríamos ter a liberdade de nos fazermos essas perguntas em algum momento na vida. É importante!! Principalmente para termos um gostinho de controle sobre o que fazemos e diminuir aquela sensação de navegar sem rumo, a deriva de nós mesmos. Infelizmente não é assim que acontece para muitos. Acho que o sentimento mais libertador que eu senti, foi quando eu me dei conta, que eu não queria ser rico e que excesso de dinheiro não é o que traz tranquilidade, mas sim, satisfação naquilo que se faz. Pode parecer bobo e ingênuo, mas garanto a vocês que não é!!

Bom, mas vamos ver o que virá logo adiante, pois estou bem entusiasmado com os frutos que serão gerados dessa nova fase. Mais adiante falarei um pouco mais sobre essa nova paixão por madeira.

Fiquem em paz!!

joao_vi

Amar o que faz

12/10/2011 § 2 Comentários

Com o tempo a gente vai aprendendo como o que fazemos diariamente pode influenciar totalmente nossa vida. Quando vi esta imagem, logo lembrei de diversos amigos meus que trabalham somente por dinheiro, vivem estressados, ficam contando os dias (mesmo quando são 100 dias) para as férias, pois somente ali são felizes. Ou pessoas que vivem relacionamentos somente por ter, para não ficarem sozinhos. Já vi bem de pertinho tudo isso e nossa, é tão frustante ver e as pessoas sofrendo pra caramba. Por isso que sempre me pergunto se eu amo o que eu faço e vice versa. A vida tem que ser vivida intensamente, curtindo todos os dias, amando mesmo.

Claro, mesmo com o trabalho corrido, odiando alguns momentos do meu dele (cara, nada é perfeito), eu curto muito o que faço e sempre procuro me especializar mais e mais no que gosto, procuro intensamente o prazer no meu trabalho, nas minhas viagens, no meu casamento, no meu dia-a-dia, nas mínimas coisas. Também lembro muito de algo que li em um livro bem específico: dinheiro é um meio, não um fim. Grande sacada.

Ame o que faz. Faça o que ama de verdade. Em tudo, no trabalho, em relacionamentos, na vida! É o que vale, no fim.

Precisa?

04/08/2010 § Deixe um comentário

Abri meu armário e vi o quanto ele era grande e quanta roupa tinha nele. Comecei a me perguntar se eu realmente precisava de um armário daquele tamanho, já que tinha percebido que metade daquelas roupas eu não precisava. Nós não precisamos de tanto para viver e nos sentirmos bem, só que fomos educados para ter demais, querer além do que precisamos e consumir de forma descabida. Concordo que devemos guardar dinheiro, mas devemos realmente aproveitar a vida e nossa, como a vida passa rápido, isso posso dizer com certeza. Então lembre-se: aproveite a vida, tenha o necessário e esqueça os paradigmas que aprendemos quando pequenos.

Em uma manhã gelada em Caxias, quando recém tinha chegado à serra gaúcha, em um sábado sem sol, com garoa, aproveitei e fui cortar meu cabelo com minha cabeleireira de anos atrás. Não ia lá fazia uns bons quatro anos. E esse diálogo acima, melhor, monólogo, veio da minha cabeleireira. Ela aprendeu muito com a vida e deu algumas aulas para mim durante esses anos de como aproveitar o que a vida tem de melhor. E naquele sábado pude aproveitar e conversar de fatos que sempre me fazem filosofar por muito tempo.

Já escrevi aqui diversas vezes sobre o consumo exagerado que estamos vivendo. E sim, sempre me pergunto: você precisa de tudo o que tens? Ou melhor, precisa de tudo que almeja? Mas precisa mesmo? E neste aspecto de consumo coloco desde aquele sapato bacana, ao móvel da sala, à uma casa própria. Me questiono mesmo sobre minhas reais necessidades. Quero viver na minha realidade, na minha felicidade, no que eu acho que é o melhor para mim e não o que me foi ensinado erroneamente ou o que o sistema me educou. Porque mesmo sendo consciente de tudo o que estamos vivendo, de vez em quando nos perdemos nas próprias filosofias.

O mundo precisa que você saiba o que quer realmente. Vai ser bom para todos, mas honestamente, será para ti. Cada um tem uma necessidade de se conhecer, saber seus limites e suas reais vontades. Quem sabe achar o equilíbrio de tudo isso não era uma boa? Pense bem.

E como a vida é de filosofias em todos os aspectos, depois de muito pensar (porque sou assim, analiso, critico, volto atrás, analiso um pouco mais, essa sou eu) cortei meu cabelo. Minha necessidade é cortar de vez em quando e sempre de uma forma diferente. Porque, aliás, cabelo cresce pra caramba e ter ele curto é a melhor coisa do mundo. E foi nessa imagem que me inspirei para cortar meu cabelo. Ter franja no frio é tri bom!

Mas pense mesmo viu? Pense em tudo o que escrevi acima. Faz bem.

Ouse na sua medida

31/03/2010 § Deixe um comentário

Desde que começamos o blog, sempre procuro imagens que possam mostrar que podemos fazer uma decoração simples, barata, funcional e a nossa cara, sua cara. Para mim esta imagem diz tudo isso. A decoração é simples, fácil (tirando o papel de parede que acho um pouco mais complicado), descomplicada. Adoro a ideia de muitos quadros. Ok, eu não iria colocar até o teto quase, mas isso é uma questão de gosto. Sim, porque decoração é bem pessoal e não acho que tem muitas regras… Voltando, parede de cor linda, bem amarelona, prateleiras de super fácil instalação e custo pequeno… móveis idem. E notaram que é um quarto para o bebê ou algo assim?

Pois bem, eu realmente não faço parte das mulheres que querem ter filhos. Tem pessoas que ficam chocadas quando falo, tem outras que pensam que nem eu. Mas, no momento, realmente esse desejo não faz parte, nem do John… Penso como é difícil educar uma criança hoje em dia, em como o mundo está poluído, na violência, em tudo! Sim, sou extremamente racional para isso. E, sinceramente, se chegar um dia que eu não pense assim, adotarei! Quantas crianças por aí sem pais, querendo um lugar para morar, carinho e etc!!!!

Mas voltando a decoração, como tudo na vida, acho que não podemos ter tantas regras. Sair do convencional é natural. Ontem mesmo lembrei que de pequena me perguntava porque eu era diferente, pq comia comidas que não via em outras casas, pq tinha outros gostos. Depois vi que isso é natural, faz parte e é isso que dá gosto na vida.

Então, desencane, faça coisas diferentes, ouse mais, se permita mais.

Historias fortes

26/02/2010 § Deixe um comentário

Ontem revi um desses filmes que, por algo da vida, deletei parte, mesmo sendo um filme ótimo. As Horas (the hours).  Depois de assistir ele, lembrei de outro filme, Sylvia, que conta a vida da escritora Sylvia Plath. Semana passada vimos Shrink, com Kevin Spacey. Os três filmes tem um ponto em comum muito forte: retratam casos de suicídio, análises da vida, profundas, reais.

Na minha família tive alguém muito próximo que se suicidou, não cheguei a conhecer, mas tenho uma ligação muito forte com ele. A dor fica durante muito tempo. Acho que muitas vezes algumas dores não curam, simplesmente as pessoas se acostumam. É realmente forte. E, claro, assistindo a esses filmes, vieram muitos sentimentos à tona. Esses filmes são foda, são ótimos e realmente profundos. Retratam vidas, reais, com suas complicações, nada lineares.

Vale a pena ver. E rever. E sentir que a vida pode ser complicada, mas devemos descomplicá-la para seguirmos em frente.

Uma vida muito melhor

04/12/2009 § 5 Comentários

Antes de mais nada, neste post devo agradecer. Devo agradecer à todos que nos ajudaram nessa correria que está sendo a nossa vida: Ireno, Claudete, Carraro, Zé, Clarissa, Álvaro, Aquiles, Gabriel, esses últimos que nos ajudaram pra caramba com a mudança, Gustavo Dicki (que ficou até um tempo aqui conosco para colocar tudo em ordem) e todos que mandaram boas energias para que tudo desse certo!

Nos mudamos de casa. Mudamos de cidade. Mudamos de estado. Mudamos de estilo de vida. E isso tudo vem em um processo que já faz cinco anos. Trocamos Porto Alegre por Florianópolis, buscando outra vida, outra forma de ver nosso futuro. Continuo trabalhando para a capital gaúcha, mas agora vou uma vez ao mês para resolver tudo por lá. O João já trabalhava aqui sempre, então só melhorou o processo de trabalho dele.

Já viram o filme Sob o Sol de Toscana? Sinto uma energia muito parecida por aqui. Abdicamos de muitas coisas para podermos viver no estilo de vida que acreditamos. Acreditamos que não precisamos chegar a uma certa idade para vivermos de fato a vida. A vida é agora, é neste momento e sim, tinha muito medo de não aproveitar do jeito que gostaria.

Agora também retomarei o blog, já que tudo está voltando ao normal.

E pensem nisso: não deixem os sonhos para trás. Vale muito a pena ir atrás e ser muito feliz.

Foto acima da praia que moramos: Santinho. Aí embaixo no momento da grande mudança, a Terra dentro de uma das caixas fazendo pose!!!!!

Agora é a hora

05/11/2009 § Deixe um comentário

Bem na frente do nosso prédio, na mesma altura do nosso apartamento, no outro lado da rua, tem um apartamento com um casal de idosos. Vejo eles sempre, já que minha mesa de trabalho fica virada para a rua. Eles precisam de cuidado constante e vários cuidadores já passaram por ali desde que moro por aqui.

Fico pensando se eles tiveram uma vida legal. Fico pensando se eles tem muitas histórias para contar, aventuras, se tiveram uma vida repleta de VIDA. Pois sempre penso que quero isso, quero pensar que fiz de tudo na vida, que posso escrever um livro (para mim mesmo) e ver que tive uma vida cheíssima de coisas legais.

Por isso, quando penso na minha falta de tempo, entro em parafuso. Faz tempo que tenho falta de tempo. Jurava que não diria isso mais, mas foi impossível fugir da clássica frase, estou sem tempo. Sou ansiosa, sou confusa, mas uma coisa sei, quero vida pra vida. Vida bem vivida, entende? Por isso, a partir do mês de dezembro estou indo atrás do sonho da minha vida. Logo, logo, saberão. Por isso, olhando meus vizinhos, reflito demais e não quero esperar minha aposentadoria para fazer o que quero. O que vale é o AGORA.

InMod01_rect540

E quando reclamares da falta de espaço, lembre dessa imagem. Até hoje não tinha visto quarto tão apertado. Reclamar menos, ir atrás dos sonhos mais, viver mais, ter qualidade, sem se importar com a quantidade. Saia do padrão. Faz bem.

Imagem: Apartment therapy.

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com vida em .